Quarta-feira, 4 de Agosto de 2010

Cadáver

Cadáver

 

Receio morrer

Receio deixar de existir, pensar e transpirar

Olho para o túnel dos meus sonhos

Imagino que faleci!

 

Contudo, o meu cadáver se ergue

Aquela massa disforme que foi o invólucro

Caminha,

Recusa o fim!

 

Mas tudo não passou de um sonho

Receio morrer

Tenho medo de adormecer

Acordo apavorada, toda transpirada

 

Olho a minha volta…

Será que morri, ou foi apenas um sonho

Não sonho não pesadelo, estou gélida

Toca o despertador…salto da cama!

 

Soltando o grito,

ESTOU VIVA! EU, ESTOU VIVA!

 

 

 

 

Manuela Bulcão

publicado por poemasdaminhavida às 23:29
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Plenitude

. Odeio…

. O Labirinto

. Noite

. Mãe

. Cria da Bruma

. Cadáver

. ...

. Conceitos de Liberdade

. As escadas de São Bento

.arquivos

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds