Quarta-feira, 4 de Agosto de 2010

Mãe

Mãe

 

Tu, que me deste a vida

Tu, que me trouxeste ao mundo

Tu, que por mim sucumbiste…

Por ti choro e suspiro

Retorço o meu coração de dor

Revolto-me contra a sociedade ignóbil

Que por ignorância, te rotularam

Tristes … Inábeis

Sem capacidade de Amar, apenas sabem criticar

Porque?

Não sabem amar, nunca foram amadas

Infelizes…

Tu, minha Mãe, amaste e foste amada

Eis a prova viva do Amor, os teus rebentos

Partiste completa, como mãe, fêmea e ser humano

Minha Mãe

Estarás para sempre no meu coração

Amo-te e odeio quem te fez sofrer.

 

 

Manuela Bulcão

publicado por poemasdaminhavida às 23:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Plenitude

. Odeio…

. O Labirinto

. Noite

. Mãe

. Cria da Bruma

. Cadáver

. ...

. Conceitos de Liberdade

. As escadas de São Bento

.arquivos

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds