Quarta-feira, 4 de Agosto de 2010

Plenitude

Plenitude

 

 

Foram horas e minutos

Valeu a pena meu Amor, nunca é tarde

Momentos exuberantes de prazer sem limites, barreiras ou fronteiras

Paixão… Ternura e muita loucura

Tu me conduziste, tu me ensinaste a plenitude do prazer infinito

Fui mulher, fêmea e amante

Contigo percorri, trilhos escaldantes de desejo

Flutuamos nas nuvens

O céu era o limite, a meta o arco-íris

Não há Amor proibido, apenas Amor contido

Amor, por ti suspiro, por ti transpiro

Quero sempre te amar, tenho tanto para te dar

Tenho a certeza…Não foi sonho, não foi Magia

Apenas e tão só Amor.

 

 

 

Manuela Bulcão

publicado por poemasdaminhavida às 23:35
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 1 de Agosto de 2011 às 15:30
Fiquei feliz ao encontrar o teu nome ligado à literatura e à poesia.
Parabéns por esse belo trabalho. Continua porque sei que conseguirás alcançar horizontes maravilhosos.
A. Vieira

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Plenitude

. Odeio…

. O Labirinto

. Noite

. Mãe

. Cria da Bruma

. Cadáver

. ...

. Conceitos de Liberdade

. As escadas de São Bento

.arquivos

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds