Quarta-feira, 17 de Março de 2010

Firmamento…não afirmado

Firmamento…não afirmado

Realidade, linda natureza viva

Mar calmo, realidade pura serenidade permanente

Vislumbro ao longe, golfinhos ou será entropia

Viajando na eterna sonolência, respiro e transpiro

Choro e embalo lamentos, quem sou eu…cria enjeitada

As melodias de Wagner, transportada pelas ondas serenas

São bálsamos, para a minha alma incompleta de pesar

Sou uma gaivota sem lar, sou uma gaivota sem mar

Sou cria abandona, sou cria insular

Realidade, viva

Orgasmo, impotente da loucura

Grito em silêncio, transpiro lamentos e gritos de dor

Quero alguém, amante quente de ternura

E num grito, de loucura…

Onde estas tu…meu amor infinito

Existes, sei que existes.

 20-01-2010

Manuela Bulcão

publicado por poemasdaminhavida às 00:13
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Plenitude

. Odeio…

. O Labirinto

. Noite

. Mãe

. Cria da Bruma

. Cadáver

. ...

. Conceitos de Liberdade

. As escadas de São Bento

.arquivos

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds